Pense diferente

“Coloque a mão na barriga e diga: rá, rá, rá”, dizia em um portunhol hilário Shanti Lee, personagem da carioca Paula Duarte, que promove workshops de risoterapia e clown. “Agora trema seu corpo. As mulheres que precisarem podem segurar seus peitos com as mãos para que não doam, sem problemas!”, continua. E o que se vê é um grupo de cerca de 60 pessoas rindo à toa, em um sábado de sol, no Rio de Janeiro. O que eles faziam ali? Por meio de palestras, exercícios de respiração e até de interpretação, homens e mulheres pretendiam transformar a si mesmos para, então, mudar a realidade ao seu redor.

O encontro, citado acima, aconteceu no espaço chamado Casa Sou.l, um dos lugares retratados nesta reportagem, que mapeou espaços não convencionais e escolas (também não convencionais) que têm como objetivo formar educadores, empreendedores sociais e, principalmente, gente mais feliz e satisfeita consigo mesma. Em comum, esses alunos – pessoas como eu e você – estão em busca de uma vida pessoal – e corporativa – com mais propósito e sentido. E o que levam ao final do curso, da aula ou de um simples workshop? A percepção de que não estão sozinhas nessa jornada. Conheça, a seguir, algumas dessas ‘novas escolas’.

Responder a variadas inquietações

O trabalho pode ser algo inspirador? Relacionamentos podem durar para sempre? Esses são alguns dos cursos da School of Life, com sede em Londres. Um de seus fundadores é o filósofo suíço Alain de Botton, famoso por difundir o conceito de uma filosofia acessível para todos. “O que acaba com nosso desejo inato por conhecimento são as coisas inúteis que a maioria das escolas ensina, de maneira tradicional, deixando de educar para o mais importante: autoconfiança, como lidar com os relacionamentos e pensamento estratégico”, comenta Botton. A School of Life tem cursos, palestras, refeições com conversa e experiências de fim de semana em que o foco é a realização pessoal e uma vida melhor. Desde o ano passado, a escola oferece atividades por aqui, com seminários no Rio e em São Paulo, ministrados por professores da unidade londrina.

School of Lifetheschooloflife.com/world/brazil

Propor soluções criativas para velhos problemas

Transformar jovens em líderes sociais e assim minimizar muitos problemas, como a fome ou a falta de moradia. Essa é a proposta de um programa internacional chamado YIP (International Youth Initiative Program), em Järna, na Suécia. Tem duração de um ano e reúne 40 jovens de 19 a 25 anos, de diferentes nacionalidades. Como se forma gente para algo assim? Parte da proposta é ter aulas com professores de economia e política até agricultura orgânica e artes. Além disso, todos os alunos plantam a própria comida e ajudam a comunidade local. E faz parte do programa, um período de intercâmbio em países que tenham algum tipo de condição social desfavorável, como a Índia ou Namíbia. Nessas viagens, o objetivo é colocar em prática aquilo que se aprendeu em sala de aula e, quem sabe, mudar um pouco a realidade de outras pessoas por meio de soluções criativas.

YIPyip.se

Saber trabalhar de maneira colaborativa

Grupos formados por pessoas diferentes no jeito de ser e pensar e que precisam realizar algo juntas. Essa é uma característica da escola de design Kaospilot, localizada na cidade de Aarhus, interior da Dinamarca. O lugar oferece uma formação de três anos em áreas como gestão de projetos e liderança de processos criativos. Não existe um corpo docente fixo, mas gente convidada a dar aulas por um período, que pode ser de algumas semanas. A cada semestre, os alunos se envolvem em projetos variados, todos reais, e são avaliados pelo mercado de trabalho. E os professores não estão ali apenas para `ditar a regra¿ ou `ensinar o bê-a-bá¿, mas orientar conforme as dificuldades forem surgindo. Enfim, o objetivo é que os alunos encontrem as próprias soluções e saibam lidar com as dificuldades no meio do caos. Talvez por isso, os alunos sejam chamados de “pilotos do caos”. »

Kaospilotkaospilot.dk

Redescobrir seus verdadeiros sonhos e desejos

O lugar, inaugurado em agosto último, tem como missão inspirar pessoas a se conectarem com quem realmente são, descobrindo e fortalecendo assim seus propósitos. É também um ponto de encontro para, como dizem seus idealizadores, unir gente que está em busca de seus sonhos. Em um casarão, no Rio, acontecem aulas, palestras, workshops, cursos e vivências sobre autoconhecimento, sustentabilidade, empreendedorismo e criatividade, que ganham títulos como “Formação de Realizadores”, “Encontros por uma Educação com Significado” ou “O Caminho dos Sonhos”. Os professores? Gente que faz, ou seja, pessoas envolvidas em projetos de educação, cidadania e afins. O espaço tem também aulas de ioga, dança e artes marciais. A Casa Sou.l é uma empresa social: o objetivo é mudar vidas e, o lucro, revertido para a própria empresa.

Casa Soulcasasoul.com.br

Encontrar caminhos mais verdes

A proposta é formar comunidades sustentáveis, por meio de hortas orgânicas, construções verdes, economia mais justa e um dia a dia em que as discussões brotem de uma maneira mais honesta. Gaia é uma organização internacional que surgiu da experiência adquirida em ecovilas, ongs e comunidades autossustentáveis. Para espalhar esse conhecimento, que tem bases práticas e filosóficas, são elaborados cursos, alguns on-line, em mais de 31 países, inclusive aqui. As aulas são dinâmicas, com saídas de campo, trabalhos em grupo, estudos de caso e estágios em instituições. Quem passou pelo curso se reconhece como “gaiano”. “Ser gaiano é ter a consciência de que existem muitas formas de proporcionar impactos positivos no mundo e na sua vida. É aprender com quem faz. É se inspirar para fazer”, conta a gaiana Mariana Carvalho.

Educação Gaia gaiaeducation.net

Ampliar o olhar de mundo

imagine estudar em uma escola que funciona como uma comunidade. Assim é a Schumacher, em Totnes, no Reino Unido, que oferece cursos, com diferentes durações, baseados em uma visão de mundo ecológica e holística. Todos participam de tarefas diárias para a manutenção do espaço -não há nada de estranho em encontrar o diretor da instituição varrendo o chão. Entre os professores, há gente renomada como Satish Kumar, um dos fundadores da escola e uma figura ligada às causas pacifistas, ou Fritjof Capra, físico, autor de livros como O Tao da Física. Os estudantes têm aulas de arquitetura ou ecologia numa lanchonete ou no bosque e pode fazer cursos de temas como Economia da Dádiva, com o filósofo e escritor americano Charles Eisenstein. Quem passou pela Schumacher garante que a escola transforma, de fato, o olhar das pessoas.

Fonte: Vida Simples

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s